Comunicação Não Violenta (CNV) com os Filhos: O que é, como praticar e como ensinar às crianças

A Comunicação Não Violenta (CNV) é uma forma de falar e ouvir se conectando com o que está vivo dentro de nós e dos outros a cada momento. Ao invés de julgar, acusar, analisar ou diagnosticar a outra pessoa, nós entramos em contato com a parte mais íntima e autêntica de nós mesmos, tomando consciência dos nossos sentimentos e necessidades, e expressamos isso de forma direta, sincera e vulnerável. 

Também podemos receber a mensagem da outra pessoa nesses termos, assim, mesmo que estejam falando conosco de uma forma violenta, tudo o que ouvimos é o que a outra pessoa está sentindo e precisando. 

Mais do que uma “técnica”, a CNV é uma forma radicalmente diferente de estar no mundo e de se relacionar com as pessoas, e depois que a gente começa a pensar em termos de CNV, é difícil deixar de ver as grandes e pequenas violências na nossa forma usual de comunicação! 

POR QUE “LINGUAGEM DA GIRAFA”…?

A CNV era chamada de “linguagem da girafa” pelo seu criador, Marshall Rosenberg, porque a girafa é o animal terrestre que tem o maior coração, e essa metáfora nos lembra de falar e ouvir com compaixão e honestidade, buscando sempre a conexão com o outro. 

Além disso, a imagem do pescoço comprido da girafa nos lembra a ver as situações por uma perspectiva mais ampla, sem nos perder em detalhes que na verdade não importam tanto assim.

Quando estamos aprendendo a CNV ou ensinando-a aos nossos filhos, podemos falar de “colocar nossas orelhas de girafa” para falar e ouvir com empatia. E se sua família gostar de artesanatos, quem sabe até rola fazer uma tiara com orelhas de girafa! Ter algo concreto como isso pode ajudar bastante as crianças em momentos de conflito, pois ajuda a trazer os conceitos da CNV para o plano material e lúdico. 

A CNV NA CRIAÇÃO DE FILHOS: O QUE MUDA? 

Praticar a CNV na criação de filhos significa mudar os principais paradigmas da criação de filhos tradicional. Deixamos de buscar a obediência e passamos a ver nossos filhos como seres livres, com quem procuramos cultivar relações cheias de empatia, confiança e respeito. 

Olhamos para além do comportamento imediato e pensamos em termos de sentimentos, necessidades, motivações, medos, desejos… É como se o comportamento da criança fosse apenas a pontinha de um iceberg, e ao invés de reagirmos a essa pequena pontinha visível, tentamos enxergar e nos conectar com a enorme parte que está submersa. 

Como tudo na criação de filhos, a melhor forma de ensinar é pelo exemplo. Se nossos filhos crescerem ouvindo a gente falando de forma não-violenta, é isso o que vai ser o normal para eles, e será mais fácil para eles se comunicarem dessa forma também.

Quando nós mesmos sabemos identificar e nomear nossos sentimentos e necessidades, e falamos sobre eles no dia-a-dia, na presença dos nossos filhos (“fiquei frustrado com isso”, “estou cansado e preciso descansar”, “fiquei muito orgulhoso de mim mesmo”, “obrigada, eu me senti segura e apoiada”), as crianças irão naturalmente construir um amplo vocabulário emocional e aos poucos entender as nuances de cada sentimento e necessidade. 

PÔSTERES LINGUAGEM DA GIRAFA: UM LEMBRETE DIÁRIO PARA CRIAR FILHOS COM EMPATIA E CONEXÃO

Como a CNV costuma ser bem diferente da nossa comunicação normal, pode ser um verdadeiro desafio mudar a forma como falamos e ouvimos. Foi pensando nisso que criamos os Pôsteres Linguagem da Girafa: para apoiar o aprendizado das crianças sobre a CNV, os sentimentos e as necessidades, e também para ajudar nós, adultos, a lembrar e praticar aquilo que valorizamos.

O Kit vem com 3 pôsteres + o e-book “Guia da Girafa: Como Criar Filhos com a Comunicação Não Violenta”, pois o assunto se estende, e um post de blog não daria conta de falar dos detalhes e de todas as questões práticas! 

Você pode colocar os pôsteres no quarto da criança, em um cantinho da calma ou em qualquer outro lugar da casa em que eles fiquem de fácil acesso para as crianças e onde sirvam de lembrete para os adultos de que tipo de relação queremos cultivar com nossos filhos. 

Quando surgir um conflito, a criança e o adulto podem, depois de se acalmarem, sentar juntos para conversar sobre o que aconteceu, contar como cada um se sentiu, do que cada um precisava e pensar em soluções que sejam boas para todos. Dessa forma, transformamos problemas do dia-a-dia em aprendizados, experiências significativas e oportunidades de conexão para uma relação melhor com os nossos filhos! 

O primeiro pôster, “Linguagem da Girafa” traz os 4 passos da CNV para falar e ouvir com empatia.
O segundo, “Como me sinto quando…”, tem 32 ilustrações de sentimentos, divididos em “Quando tenho o que preciso” e “Quando não tenho o que preciso” (porque TODOS os sentimentos são importantes e válidos, então não existem sentimentos “bons/positivos” ou “ruins/negativos”).
O terceiro pôster, “Coisas de que todos precisam”, traz 24 necessidades humanas universais, divididas em “para o corpo”, “com outras pessoas” e “para si mesmo”. As necessidades são aquele passo além em que reconhecemos do que cada pessoa precisa e a partir disso conseguimos pensar em soluções e maneiras saudáveis de lidar com cada sentimento.

Já no e-book, falamos de coisas como:

  • O que é a CNV, o que é violência e o que é a não-violência;
  • Por que recompensas e punições não são bons métodos para educar crianças;
  • Os 4 passos da CNV e alguns cuidados para tomar no processo;
  • Como agradecer e celebrar em CNV (afinal, a CNV não serve apenas em momentos de conflito!);
  • Como ouvir em CNV, transformando julgamentos, ataques e críticas em mensagens mais fáceis de se conectar;
  • Dicas práticas para usar os pôsteres com os filhos;
  • A importância da autocompaixão e da rede de apoio.

QUAL A IDADE RECOMENDADA?

Os pôsteres não têm idade mínima recomendada e podem ser usados até com bebês. Afinal, se nos preocupamos tanto em ensinar nomes de cores, animais e objetos para os nossos bebês, por que não incluir desde cedo as palavras para nomear sentimentos e necessidades?

No começo, é difícil mesmo falar de forma não-violenta. Podemos até parecer robozinhos às vezes, mas conforme vamos praticando, a CNV vai se tornando mais natural. Não é uma mudança que acontece de um dia para o outro, e nós nem estamos buscando a perfeição. Seguimos com muita autocompaixão, os olhos no longo prazo e a certeza de que podemos fazer diferente, quebrar ciclos de violência e criar filhos de uma forma mais consciente, acolhedora e empática. 

E pensa só: mesmo que a CNV seja para sempre a nossa segunda língua, ela pode ser a língua materna dos nossos filhos! Imagine uma geração de crianças que sabe nomear os próprios sentimentos e necessidades com a mesma facilidade com que nomeamos cores, objetos ou animais. O que seria diferente nesse mundo? 🙂 


Se você ficou com alguma dúvida, é só nos enviar uma mensagem ou e-mail! E se você adquiriu os Pôsteres + E-book Linguagem da Girafa, adoraremos ouvir sua experiência! Respondemos no e-mail oi@studiokoka.com e estamos no Instagram @studiokoka.shop. Te desejamos muitas conversas e momentos em família! 

Compartilhe esse post!

Deixar uma resposta